Flexibilidade: como ressignificar crenças que te limitam

Tempo de leitura: 2 minutos

Existem algumas crenças que são nocivas e nos impedem de ir a frente, e por isso é preciso ressignificar, ou seja, dar um novo sentido a essas convicções que nos limitam.

>> Exemplos de crenças nocivas e a resposta positiva a elas:

• É culpa minha
> Em vez de pensar assim, você pode pensar: Não é culpa minha, não é culpa de ninguém. A culpa ainda não foi determinada entretanto encontrar um culpado não resolve o problema – devo me concentrar na solução.

• Não sou suficientemente bom
> Resposta positiva: Sou suficientemente bom pois não preciso me comparar com os outros. Ser “suficientemente bom” é relativo, vou ser melhor no futuro. Estou aprendendo cada dia mais.

• Não vai dar certo
> Substitua por: Sempre há um jeito de fazer dar certo, posso pedir ajuda. Se uma coisa não funciona de um jeito, pode haver uma outra maneira que pode funcionar. Ser pessimista não me ajuda a encontrar uma solução.

• Sei que não vai funcionar
> Escolha pensar: não, eu não sei e estou apenas imaginando. É só ansiedade, vai passar. Olhar par trás só é bom se levar a um futuro melhor .

• Não posso fazer nada a respeito
> Ao invés disso: Consigo encontrar alguém que possa me ajudar. Ser derrotista não me ajuda a melhorar as coisas.

• Era só uma questão de tempo, ia acontecer
> Como alternativa: Não sou fatalista, isso era imprevisível. Isso também vai passar, nunca chove o tempo todo. Ser fatalista me tira a possibilidade de escolha.

Para se tornar uma pessoa flexível você precisa derrotar as reações depressivas em seu próprio campo. Como fazer isso se sua reação automática é de tristeza, impotência ou desesperança? Recuse-se a aceitá-la. Respire fundo e consulte sua lista de reações alternativas. Pense com otimismo e de fato, tudo é aprendizado.

 


Andrea Rangel
Coaching. Tem o propósito de despertar o potencial de pessoas e a opção de se viver no campo das infinitas possibilidades expandindo o ser de forma integral.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *